Fiocruz passa a integrar a Rede Estratégia ODS

Cristina Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias) 

A Fiocruz integra desde o último dia 2 a Rede Estratégia ODS, uma coalizão de organizações da sociedade civil, do setor privado, de governos locais e da academia com o objetivo de ampliar o debate sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Agenda 2030. Com a adesão, colaborações que já vinham ocorrendo ganham força, e a Fiocruz poderá fazer parte de comissões setoriais, contribuindo com sua experiência em saúde, educação e inovação tecnológica. 

“Essa é uma das iniciativas mais representativas do esforço da Agenda 2030 no Brasil”, disse a respeito da rede Paulo Gadelha, coordenador da Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 (EFA 2030) e membro do Grupo dos 10, cujos participantes foram escolhidos pelo secretário-geral da ONU para promover a integração de ciência, tecnologia e informação e os ODS. 

Ponte 

A rede busca construir novos modelos de colaboração entre os diferentes setores da sociedade e integrar os ODS aos planos e políticas de estados e municípios. Entre os seus cerca de 400 membros estão organizações e instituições como a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), a Fundação Getúlio Vargas, a Fundação Abrinq, o Pacto Global e o Programa Cidades Sustentáveis (PCS). No segmento governamental, a Fiocruz é a primeira instituição cientifica a integrar a Rede Estratégia ODS, explica Axel Grael, prefeito de Niterói e vice-presidente para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da FNP. 

A experiência e o conhecimento da Fiocruz vão ajudar na integração dos participantes, por meio do compartilhamento de metodologias de avaliação de indicadores da Agenda 2030, estudos e promoção de seminários. Alguns projetos já estão sendo desenhados. 

“A Fiocruz e a FNP pretendem firmar um protocolo de cooperação para o desenvolvimento de ações conjuntas que fomentem o desenvolvimento local sustentável, em especial neste momento de pandemia, em que as cidades necessitam de apoio para a retomada do crescimento econômico, a inclusão social, o combate às desigualdades e o enfrentamento das sequelas na saúde”, disse Grael. 

Além disso, o prefeito explica que a FNP participará, a convite da Fiocruz, do painel de prefeitos “O papel da tecnologia e da inovação em localizar os ODS”, a ser realizado no âmbito da Conferência Global em Tecnologia e Inovação Sustentável (G-STIC), em outubro deste ano, em Dubai. Encontra-se ainda em estudo um projeto sobre os Desafios do G100 (grupo de municípios com mais de 80 mil habitantes e altos índices de vulnerabilidade socioeconômica) para a implementação da Agenda 2030. 

Para a Fiocruz, essa participação será também uma espécie de ponte, permitindo chegar a mais pessoas. “A participação municipal é muito relevante porque um dos eixos é a localização: chegar às cidades, às comunidades”, explica Gadelha. “É uma grande expansão da capacidade de cooperação. Vai suprir o campo de saúde [na rede], dado o lugar da Fiocruz, somado à inovação. Traz relevância e conexão com a saúde e o pensamento da Agenda 2030.”  

ODS e rede  

Os ODS foram estabelecidos durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável em setembro de 2015. Essa agenda é composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030. Dessa forma, ela propõe iniciativas para garantir que o desenvolvimento do planeta possa garantir melhores condições de vida para as futuras gerações.  

No Brasil, a coalizão Estratégia ODS, criada em 2015, reúne organizações representativas de múltiplos setores com o objetivo de ampliar e qualificar o debate a respeito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Brasil. A rede recebeu financiamento da União Europeia, para o período de 2018 a 2021, a fim de ampliar suas atividades.

Related Posts
Leave a Reply

− 4 = 1