Fiocruz apresenta atividades realizadas no semiárido

 

Nathállia Gameiro

Para além da produção de vacinas e pesquisas que beneficiam a população brasileira, a Fiocruz realiza diversas ações diretas nas regiões de semiárido e cerrado brasileiro para a promoção de territórios saudáveis e sustentáveis em municípios do Piauí, Tocantins, Pernambuco, Minas Gerais, Ceará, Rio de Janeiro, Distrito Federal e outros estados. Essas experiências foram apresentadas durante a Feira de Soluções para Saúde, realizada em Fortaleza (CE). O evento teve início na quarta-feira e continua ate sábado, 19 de outubro.

A vice-diretora da Fiocruz Brasília e coordenadora do Comitê de Territórios Saudáveis e Sustentáveis na Fiocruz, Denise Oliveira, destacou que este é um tema prioritário para a instituição e que as ações são realizadas há muito anos, mas não recebiam essa denominação. “Trabalhávamos no território, mas não o enxergávamos dessa maneira. O território é onde a vida acontece, e a Agenda 2030 é importante para trazer esse foco. A Fiocruz hoje tem a ideia de Territórios Saudáveis e Sustentáveis como eixo estruturante quando pensamos na saúde da sociedade brasileira. Que a partir daí possamos ter uma ciência mais respeitosa e complexa, e olhar o território de outra maneira”, afirmou.

Um dos instrumentos utilizados pela Fiocruz Brasília para chegar ao território foi o curso de Especialização em Promoção e Vigilância em Saúde, Ambiente e Trabalho da Escola Fiocruz de Governo. No Ceará, foram produzidos 22 projetos de intervenção nos municípios. Um deles foi realizado no Assentamento Vida Nova Transval, em Canindé, Ceará. A cidade, localizada no sertão, é um dos municípios cearenses com maior concentração de assentamentos. Os estudantes conversaram com os moradores do local para entender como era a relação com a seca. O projeto reativou quintais de plantas medicinais, de acordo com as necessidades e saberes locais e com o que o semiárido permitia. O objetivo era resgatar a autonomia da comunidade e a geração de renda. Ao final, foi produzida uma cartilha com sugestões de uso das plantas, que pode ser replicada em outros territórios.

O coordenador do Programa de Saúde, Ambiente e Trabalho da Fiocruz Brasília e mediador da mesa redonda, Jorge Machado, afirmou que as atividades de promoção de territórios saudáveis e sustentáveis aliam os eixos de formação, informação, governança e ação local e territorial, articulado com a agenda das instituições e organizações sociais que giram em torno da saúde e saneamento básico.

O surgimento das redes de computadores foi utilizado como exemplo para lembrar da importância das redes sociotécnicas e a continuidade das ações no território. Para Ana Paula, da Rede de Médicos e Médicas Populares do Ceará, as redes devem ser reativadas, desenvolvidas, multiplicadas, e desenvolvidas em sua fluidez e singularidade para produzir e difundir saberes entre comunidades.