Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 é apresentada em painel sobre empreendedorismo e sustentabilidade para os municípios do Ceará

 

Mariella de Oliveira-Costa

A Agenda 2030 parece algo muito distante da realidade concreta dos municípios, mas pode ser uma referência para a formação de redes e parcerias na busca de formas de incentivo para ações de desenvolvimento sustentável. O coordenador da Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030, Paulo Gadelha, participou nesta sexta-feira, 18 de outubro, do Painel Empreendedorismo e Sustentabilidade, durante o I Congresso dos Municípios do Ceará. O evento integra a Feira do Conhecimento, do qual também faz parte a Feira Soluções para a Saúde (promovida pela Fiocruz).

Ele falou sobre o papel da Fiocruz na correlação entre base científica, tecnológica e o desenvolvimento nacional, considerando a saúde como articulador da política social e de desenvolvimento, e combinando crescimento, inovação, equidade e inclusão social; e lembrou que saúde é um fator estruturante do estado de bem-estar social, e campo privilegiado para a inovação em todas as principais tendências tecnológicas, como a bio e nanotecnologia.

Gadelha apresentou também os instrumentos para se pensar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para  o planejamento dos municípios, como manuais e livros, além da plataforma Portal ODS, que traz subsídios para se conhecer melhor todos os municípios e estados brasileiros, com informações econômicas, sociais e ambientais, subsidiando a definição de políticas públicas em consonância com os ODS, e lembrou duas iniciativas apresentadas ontem na Feira, o Programa Cidades Sustentáveis e a Plataforma Ceará 2050.

O pesquisador da Fiocruz também destacou a presença da instituição no Ceará, no município de Eusébio, a 24 quilômetros da capital. A Fiocruz Ceará tem iniciativas diversas no campo da economia da saúde, está em articulação com o distrito de inovação de Porangabussu, com a Plataforma do Instituto Pasteur, e vai trabalhar no desenvolvimento e produção de vacinas e biofármacos, ações voltadas para a terapia celular e implantação da fábrica de mosquitos Wolbachia, além de atividades na área de saúde digital, saúde, ambiente e atenção primária.

Durante o painel, mediado pelo prefeito de Altaneira, cidade de 7.500 habitantes na região do cariri cearense, Francisco Dariomar Rodrigues Sousa, o diretor técnico do Sebrae Ceará, Alci Porto Gurgel Júnior, apresentou o ambiente de negócios e experiências bem sucedidas em diferentes municípios do estado. O órgão tem iniciativas de incentivo ao empreendedorismo jovem, com treinamento e monitoramento de professores do ensino fundamental, técnico e superior. De 2013 a 2018, foram capacitados 140 mil jovens em todo o estado. “Os prefeitos podem ver o Sebrae como articulador e catalizador de parcerias com o governo e a Associação de Prefeitos do Ceará, pois temos como política o fomento da vocação potencial do empreendedorismo local”, afirmou ele, citando o exemplo da cidade de Potengi, conhecida como a cidade que não dorme devido ao tilintar dos instrumentos utilizados pelos ferreiros da cidade, na fabricação de foices e ferramentas para a agricultura.

Segundo ele, a previsão é que o Ceará tenha, até o fim do ano, mais de 461 mil empresas, sendo mais de 268 mil delas, referentes a microempreendedores individuais. Ele mostrou a relevância dos pequenos negócios no Ceará, sendo 84% o saldo do emprego dos pequenos negócios de janeiro a agosto de 2019. “Com apoio do Sebrae, esses profissionais fizeram um curso de produção de com um cuteleiro especializado e hoje fabricam, como cuteleiros, facas de alta qualidade e maior valor agregado. Antes, vendiam seus produtos por, em média, 30 reais. Hoje o valor chega a 300 reais, “ afirmou

Juntamente com a Feira de Soluções para a Saúde, o I Congresso dos Municípios do Ceará faz parte da Feira do Conhecimento, que vai até este sábado, 19 de outubro, em Fortaleza – CE.

Clique aqui para acessar a cobertura completa.