Fiocruz Bahia recebe coordenador da Estratégia Fiocruz para Agenda 2030

O coordenador da Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030, Paulo Gadelha, visitou a Fiocruz Bahia, nos dias 22 e 23 de agosto, para participar de reunião no Conselho Estadual dos Secretários Municipais de Saúde da Bahia (COSEMS-BA) e para ministrar a sessão científica com o tema “Papel da saúde e CT&I na Agenda 2030”, no instituto.

O objetivo do encontro no COSEMS-BA foi de discutir possíveis cooperações intergovernamentais. Gadelha apresentou a importância da Agenda 2030, as ações da Fiocruz no âmbito da Agenda e falou sobre as experiências de parcerias com o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS) e com COSEMS de outros estados.

“A ideia de regionalidade é central para todo esse arcabouço da Agenda, ela não tem sentindo se não se materializa em realidades locais. Há uma série de referências que trabalham com a ideia de como pensar a gestão e auxiliar os gestores municipais a integrar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) aos planos locais”, ressaltou o ex-presidente da Fiocruz.

Os ODS constituem a série de 17 metas globais estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), que compõem a Agenda 2030. De acordo com a ONU, esta agenda é um plano de ação para as Pessoas, Planeta, Prosperidade, Paz e Parcerias, tendo como principal foco a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões, o maior desafio e requisito indispensável para o desenvolvimento sustentável.

“A saúde é quase simbiótica com a questão da Agenda 2030. Todos os objetivos estão integrados à saúde, como a questão da cidade, da habitação, que traduz o que chamamos, pelo nosso recorte, de determinantes sociais da saúde. A ONU reconhece que o indicador central, que estrutura o conjunto de indicadores, é a cobertura universal para a saúde”, afirmou Gadelha.

Na reunião, também estiveram presentes a diretora da Fiocruz Bahia, Marilda de Souza Gonçalves, a presidente do Conselho, Stela dos Santos Souza, além de 6 diretores representantes das 417 secretarias municipais de saúde do estado: Geraldo Magela (Ilhéus), Denise Lima Mascarenhas (Feira de Santana), Gerald Saraiva (Anagé), Odilon Cunha Rocha (São Félix), Raquel Ferraz da Costa (Abaré) e Max Almeida (Teixeira de Freitas).

Marilda Gonçalves frisou o interesse da instituição em discutir uma agenda e fazer integrações com os municípios em apoio às questões de saúde. “A missão da Fiocruz reafirma o nosso compromisso com o Sistema Único de Saúde (SUS) e, consequentemente, com a saúde da população brasileira, quer seja no desenvolvimento de pesquisas, na formação de recursos humanos, bem como no assessoramento e interpretação da realidade, visando a implementação de políticas públicas de saúde realmente efetivas. Por isso, a parceria com o COSEMS-BA é de extrema importância, reforçando a nossa contribuição para o desenvolvimento regional e estadual, a exemplo da implementação da Agenda 2030”, disse a diretora.

A presidente do Conselho comentou sobre a importância da Agenda 2030 e de uma futura parceria com a Fiocruz. “Antes, não estávamos muito envolvidos com a questão da Agenda, mas, com um pouco mais de conhecimento, vi que ela é extremamente importante. Um dos principais benefícios da cooperação com a Fiocruz será a qualificação e fortalecimento dos gestores, com um consequente fortalecimento do SUS”, declarou Stela Souza.

Na sessão científica, Paulo Gadelha discorreu sobre o papel do Brasil, a institucionalização da Agenda 2030 na Fiocruz, as estratégias e ações implementadas pela Fundação e seus desafios. Destacou que a Agenda integra as dimensões econômicas, sociais e ambientais, com uma visão mais universal e que ela permite coordenar áreas de maneira muito clara.

“No caso especifico da Fiocruz, fundada sobre os polos Saúde e Desenvolvimento, consideramos que a Agenda 2030 é um instrumento fundamental para pensar o planejamento estratégico na instituição. Nesse processo, começamos a encontrar várias lacunas e formas de atuar, como a realização de convênios, projetos, a Feira de Soluções para a Saúde e programas de cooperação técnica”, explicou Gadelha.

Também esteve presente na ocasião, o diretor do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz), Paulo Buss, que participou da discussão final juntamente com Gadelha. Para o diretor, “a estratégia Fiocruz para a Agenda 2030 mostra uma instituição madura que não constrói seus programas com estímulo exclusivo para uma ciência pura, mas também para uma ciência com desenvolvimento tecnológico, que visa responder as necessidades do país”.

Paulo Buss, que também veio a Salvador para participar da Semana do Clima, evento organizado pela ONU, disse que é necessário observar as necessidades locais. “Nós devemos, dentro da estratégia Fiocruz, estar atentos para identificar os problemas de desenvolvimento da Bahia, da cidade de Salvador e regiões metropolitanas, que este Instituto seja capaz de resolver, dentro de um contexto cultural e social”, ponderou.

Fonte: Fiocruz Bahia

Posts Relacionados